Tudo que você precisa saber sobre o Plano Safra 2019/2020

26 de agosto de 2019
A PME Máquinas separou os principais pontos do Plano Safra para você produtor rural
Em julho entrou em vigor o Plano Safra 2019/2020, para o qual o governo federal reservou R$225,59 bilhões. Mas o que o produtor rural precisa saber sobre o Plano Safra?

O agricultor precisa investir para produzir em grande escala, porém nem sempre a quantia necessária está disponível no início de cada Safra. Com isso em mente, o governo federal criou em 2003 o chamado Plano Safra, o qual garante o crédito necessário para o produtor rural investir e custear sua produção.

O Plano é lançado anualmente, válido entre os meses de julho a junho do outro ano, uma escolha estratégica que leva em consideração o calendário da safra agrícola brasileira. Atualmente, é a principal fonte de incentivo ao agricultor e reúne políticas públicas que contemplam os serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural, crédito, seguro da produção, garantia de preços, comercialização e organização econômica das famílias residentes no campo.
 
Plano Safra 2019/2020
 
Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para o Plano Safra 2019/2020 o governo federal reservou R$225,59 bilhões, desse total R$169,33 bilhões são para crédito rural (custeio, comercialização e industrialização) e R$53,41 bilhões para investimentos. Além disso, o seguro rural passa ter R$1 bilhão, mais que o plano 2018/2019.

Outras mudanças foram nas taxas de juros, determinadas em diferentes categorias: 3% ao ano no caso de custeio, comercialização e industrialização; 4,6% ao ano para os pequenos produtores (Pronaf); 6% ao ano para médios produtores (Pronamp); 8% ao ano para demais produtores. Para os programas de investimentos, as taxas vão variar de 3% a 10,5%.                                                                                                                              
 
Pequenos e médios produtores

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) terá R$31,22 bilhões à disposição para custeio, comercialização e investimento. O Tesouro Nacional decidiu pela primeira vez liberar mais recursos para subvenção do programa em relação aos demais, resultando em R$4,975 bilhões.Outra decisão inédita é que agora os pequenos produtores poderão utilizar financiamentos para construção e reformas de suas casas. Ao todo serão destinados R$500 milhões, com a estimativa de construir até 10 mil residências no campo.

Já o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) teve um aumento de 32% nas verbas, com R$26,49 bilhões, ou seja, R$6,46 bilhões a mais que o último plano.